Estudantes conquistam 23 medalhas no Concurso Canguru de Matemática

Publicado em 10.07.2019 - Notícias - Sem comentários

Vinte e três estudantes do Colégio Sagrado Coração de Maria de Brasília conquistaram medalhas no Concurso Canguru de Matemática, competição anual internacional destinada aos alunos do 3º Ano do Ensino Fundamental à 3ª Série do Ensino Médio. Foram uma medalha de ouro, sete de prata, sete de bronze e oito de honra ao mérito. A entrega das medalhas foi feita durante evento cívico realizado na quadra de esportes da escola na terça-feira (2/7). Na ocasião, três alunos da 3ª Série do Ensino Médio aprovados no vestibular da Universidade de Brasília (UnB) foram homenageados pelos presentes.

O Concurso Canguru de Matemática é a maior competição internacional de Matemática do mundo, com mais de 6 milhões de participantes por ano em 75 países. A competição teve origem na França e é administrada globalmente pela Associação Canguru sem Fronteiras (Association Kangourou sans Frontières — AKSF). Há 10 anos no Brasil, o concurso conta com mais de 2 mil escolas participantes, totalizando mais de 300 mil alunos envolvidos.

O objetivo da competição é ampliar e incentivar o desenvolvimento dos conhecimentos matemáticos; contribuir para a melhoria do ensino de Matemática em todos os níveis da educação básica; favorecer o estudo de maneira interessante e contextualizada, aproximando os alunos do universo da Matemática; e estimular a capacidade dos alunos de obter prazer e satisfação intelectual na resolução de problemas de Matemática pura ou aplicada.

A professora e coordenadora de Matemática do Colégio Sagrado Coração de Maria de Brasília, Maqcilene Gomes, ficou orgulhosa com a conquista de tantas medalhas. Ela explica que o incentivo na participação em competições nacionais e internacionais estimula os alunos a adquirirem cada vez mais conhecimentos. “Competições como essa fazem com que os estudantes aumentem o interesse pela disciplina. Meu objetivo é motivá-los para que possam se interessar ainda mais por conhecimentos em Matemática. Concursos reconhecem talentos e os desafiam a conquistar melhores resultados nos próximos anos”, disse.

Letícia Guimarães, 12 anos, estudante do 6º Ano, levou o ouro. Ela contou que se espelhou no irmão mais velho, Wilson Guimarães, vencedor de várias competições, para conquistar sua primeira. “Estava muito nervosa na hora da prova, mas me concentrei no que aprendi e apliquei meus conhecimentos da melhor forma. Fiquei feliz com o resultado e pretendo conquistar mais medalhas durante minha jornada na escola”, comemora a estudante que quer cursar Arquitetura. Wersilene Oliveira, mãe de Letícia, ficou emocionada com a vitória da filha. “É uma bênção enorme ter filhos estudiosos que sabem aproveitar bem os ensinamentos do Colégio Sagrado Coração de Maria. Estamos realizados com o empenho dela e de todos os professores que participaram dessa conquista”, comemorou.

Estudante do 8º Ano, Heitor Kavamoto conquistou uma medalha de prata aos 13 anos. Feliz com o resultado, o aluno, que pretende cursar Direito, contou que foram horas de estudo e disciplina. “Não tenho dificuldade com a Matemática, mas nada melhor do que dedicação para alcançar resultados positivos. Participei de diversos plantões da matéria na escola e foquei nos estudos”, afirmou. Suely Kavamoto, mãe do estudante, estava toda orgulhosa durante a entrega da medalha. “É um trabalho realizado em conjunto com a família e a escola. A professora de Matemática foi uma grande incentivadora, que fez toda a diferença nessa conquista”, agradeceu.

Eduardo Torres, 12 anos, também garantiu uma medalha de prata. Ele explica que o resultado positivo foi conquistado graças à dedicação aos estudos e ao foco na disciplina. “Eu gosto muito de Matemática e isso me ajudou bastante, porém a determinação em alcançar uma medalha é primordial”, explicou. O pai de Eduardo, Guilherme Torres, concorda. “A medalha é mérito dele, que tanto se dedicou aos estudos, focando sempre no resultado. É um orgulho estar com ele neste momento”, comemorou.

História da Olimpíada Canguru

No início dos anos 80, Peter O’Halloran, um professor de Matemática em Sydney, na Austrália, elaborou uma prova digital que passou a ser resolvida por milhares de alunos simultaneamente. Anos depois, em 1991, dois professores franceses, André Deledicq e Jean Pierre Boudine, decidiram iniciar o concurso na França e, em homenagem ao colega australiano, deram-lhe o nome de “Kangourou”. Dessa forma, nasceu o concurso Kangourou sans Frontières (www.aksf.org), que hoje está presente em mais de 80 países, incluindo o Brasil.

Canguru sem Fronteiras é uma associação internacional que congrega personalidades do mundo da Matemática. Anualmente, um seleto grupo de professores se reúne para discutir o ensino da disciplina e preparar as provas que serão aplicadas nos países participantes. A finalidade da associação é promover a divulgação da Matemática por todos os meios ao seu alcance e, em particular, com a realização do concurso que envolve e motiva milhares de alunos pelo mundo.